Um pequeno diário sobre observar o mundo

Introdução Nas viagens entre Alto Paraíso e Brasília, quando eu era bem pequeno, me davam um saco praticamente do meu tamanho daqueles salgadinhos de isopor. Só com a minha boca ocupada se tinha uma viagem em silêncio. Meu traço de personalidade mais óbvio desde pequeno é esse interesse por questões…

Sobre a cidade e a sanidade

Eu sinto que é preciso estar em um estado mental muito estranho para achar Curitiba bonita. — Alguns dias eu acordo agitado e sei que vai ser difícil. Sinto fome e não consigo comer direito, meu quarto parece muito pequeno para o meu tamanho e telas bi-dimensionais me dão nervoso. Fico…

Sangue em Poliéster

Seu pulso aberto e sua mãe só soube dizer sobre os lençóis molhados. O templo dos mitos onde os miseráveis estão sempre a porta contando mentiras e pedindo dinheiro. Quantas mães vão colocar em pés macios os sapatos que lhe calejaram o tornozelo? Me abraçava e chorava, as coxas molhadas…

As cores e a pulsação do tempo

Pouco tempo atrás, conversando com uma amiga, notei que lembro em cores. Minha memória nunca foi digna de elogios e depois dos tormentos do inicio dos anos 10, tenho tido muitas dificuldades de lembrar de histórias e sensações antigas, mas por alguma razão, lembro bem das cores. — Deitado vejo os…

Dos mitos que fazemos de nós

I - Monumentos Tenho corrido as vezes a tarde, mas não tanto agora que está frio. Hoje mudei de rota e, de repente, estava no pequeno monumento que ficamos sentados e conversamos pela primeira vez coisas que nunca me lembrarei. Pra quem vive de memórias, o álcool é sempre um…

Kintsugi, ou As Tôrres Gêmeas

Deitados no chão sussurrei em seu ouvido "I love you". O inglês era meu idioma de confissões. No chão daquele apartamento, debaixo de um lençol fino, acho que sorriu e lembro dela dizer: "foi bom ouvir, tinha medo". Haviam muitas pessoas e muitas histórias naquele quarto,…

Onde eu aprendi a ver

As vezes, quando o sol vem forte pelo céu limpo e o vento do norte é gentil, escuto o mar bem próximo, suavemente deslizando na areia. Mas logo em seguida me lembro que o mar, esse mar que eu escuto, está muito longe e são apenas os carros ritmados na…

Quantas vistas tem uma janela?

I De frente para minha janela, virando quarenta-e-cinco graus para a esquerda, o sol desliza diagonalmente e dorme atrás de um pinheiro. Eu não sabia que o sol podia trafegar diagonalmente, sempre vi ele nascer do mar a minha frente e se por em algum lugar desinteressante as minhas costas.…

O mundo olha de volta: uma definição de amor

Os termos me causam grande comoção, um “eu te amo” ou “não sinto mais nada” transfixam minha mente por meses a fio. E estranhamente não conseguiria definir com precisão o que “sentir” ou “amar” significam. E se eu pudesse criar minhas próprias definições e assim poetizar e construir meu universo?…